Claudio Rocha

Participou da Bienal dos 50 Anos, em 1991, como membro do coletivo Caminho Suave, junto com Herbert Baglione, OsGêmeos, Nina, Vitché, Claudio Ferlauto e Marcos Mello.

Participou da mostra Roupa de Domingo na Casa das Rosas, em 2010 e do Projeto Parede, do MAM, em 2011.

Inconsequência Alfabética - exposição individual no Masp em 2012.

 

Foi o curador da galeria Calligraphia, em São Paulo, organizando mostras coletivas e individuais com artistas plásticos, artistas gráficos e fotógrafos, entre eles Tide Hellmeister, Orlando Pedroso, Fefê Talavera, Gepp e Maia, Cristiano Mascaro, Carla Caffé, Marcos Magaldi, Paulo Caruso e Luiz Gê, entre outros, em 2006/2007.

Editor da revista Tupigrafia, especializada em tipografia e da revista internacional Tipoitalia, que trata da historia da escrita e da tipografia italianas.

Diretor e fundador da Oficina Tipográfica São Paulo, uma ONG cultural que preserva e disponibiliza recursos técnicos e criativos do sistema de composição e impressão com tipos móveis.